Ori and The Will of Wisps chega 5 anos após o lançamento de Ori and The Blind Forest que foi um sucesso em 2015. Oferecia aos jogadores uma experiência visual incrível com trilhas sonoras emocionantes.

Ori and The Will of Wisps segue a mesma receita do jogo original mas com várias melhorias e adições que dão ao jogo mais qualidade. O jogo contou com um orçamento mais alto dando assim mais arcabouço ao jogo com cinemáticas dignas de jogos AAA.

Podemos dizer que o tempo foi generoso com esta franquia e nestes cinco anos chegaram ao mercado vários jogos deste estilo criando uma pequena comunidade a volta do estilo de jogo. 

Ori and The Will of Wisps conta uma história de fantasia para jovens e adultos, não deixa ninguém de fora. Os visuais do jogo aliados a história fazem com que tudo seja mais interessante. Mesmo que as pessoas digam que este não é o seu estilo de jogo, será inevitável não pararem a frente do ecrã quando virem alguém a jogar, afinal de contas as cores e imagens são bastante atraentes.

História…

Esta é a história de dois amigos Ori, um espírito, e Kun uma coruja pequena que se separam durante uma tempestade e ficam perdidos na floresta. Durante a nossa aventura vamos poder apreciar a natureza e ver a vida que ela tem juntamente com os vários animais falantes. As vozes das personagens são incríveis, temos um sapo enorme em forma de pedra com uma voz grossa de guardião, uma aranha com uma voz sonolenta e até mesmo um macaco com uma voz mais aguda como se fosse um jovem brincalhão.

Gráficos e Sons…

Os gráficos são uma mistura, um aquarela com arte feita à mão e que parece que foi digitalizada e depois renderizada e convertida para animações. Esta é na realidade uma técnica usada cor várias produtoras Indie. Este jogo é uma explosão de cores juntamente com uma arte impressionante que vai apaixonar jogadores.

Em relação às trilhas sonoras, estas são emocionantes, uma escolha muito apropriada digna de filmes da Disney.  Através das trilhas sonoras dava para perceber os momentos do jogo mais tensos, mais alegres, e em que precisávamos ser mais rápidos para chegar a bom porto. Posso dizer que as trilhas sonoras são um dos pontos principais deste jogo.

Jogabilidade…

A exploração continua a ser um dos pontos fortes do jogo, e o jogador é incentivado a fazer isso constantemente. Os momentos de exploração, combate e quebra cabeça estão muito bem divididos. As várias atividades incluem missões secundárias, corridas e combates com inimigos. Eu diria que está jogo tem entretenimento para cerca de 15 a 20 horas e que vai deixar saudades.

Deixo aqui a dica para a passagem aquática nas Lagoas de Luma, os gráficos e imagens são surreais e dá vontade de conhecer um sítio assim. É mesmo muito bonito mas tem alturas do jogo que nos fazem lembrar de outros jogos como por exemplo as Clareiras da Nascente que nos lembram muito o jogo Zelda não só visualmente como também nas conversas com os NPC’s e resolução de problemas.

Existem momentos bem interessantes e intensos no jogo, com combates carregados de cenas cinematográficas e bosses colossais. 

Mas tal como todos os bons jogos, Ori and the Will of the Wisps também apresenta alguns problemas com quedas ocasionais de frames por segundo tendo já existido uma atualização que resolveu parte desses problemas.

Conclusão…

Ori and the Will of the Wisps trás até nós o que há de melhor na fórmula metroidvania, carregado de inspiração, ideias e arte.

A mensagem que Ori and the Will of the Wisps carrega é, poeticamente, muito forte.

 

Nota 9/10

Positivo
  • Visual exuberante, aquarela, que permite que arte e diversão andem de mãos dadas.
  • Conteúdo que amplia a rota principal.
  • Gameplay bem distribuído entre combate, exploração e puzzles.
  • O toque de magia e o minimalismo da história imprimem ao jogo o selo de atemporal
  • Ótimo ritmo de progressão.
Negativo
  • Bugs minimizados em atualização, mas não foram completamente corrigidos.