Resident Evil é sem dúvida uma das séries de horror mais queridas pelos fãs. E os Remakes que estão a fazer destes jogos são sem dúvida fenomenais. Resident Evil 3 Remake na sua versão original seria Resident Evil 3: Nemesis, título que saiu em 1999. 

Jill é a personagem principal, mas teremos a oportunidade de jogar com Carlos alguns trechos deste jogo.

O jogo está disponível para PS4, Xbox One e PC e os jogadores vão poder reviver uma das histórias mais tradicionais da franquia. o jogo conta com muitas mudanças importantes que vão desde confrontos contra inimigos clássicos até a ordem dos acontecimentos.

História…

Quando Resident Evil 2 Remake saiu em 2019 gerou alguma polêmica entre os fãs, principalmente porque a história que havia saído em 1998 era considerada uma das melhores de toda a franquia. A versão lançada em 2019 deixou um pouco a desejar pelo facto de existirem várias contradições quanto aos caminhos percorridos pelas personagens Claire e Leon independentemente da ordem de personagem com que jogasse mos.

Em Resident Evil 3 Remake a Capcom jogou pelo seguro e fez com que a história fosse contada de uma forma mais focada e que conseguiu convencer os fãs.

Se formos comparar a narrativa do jogo de 1999 e a de 2020 iremos perceber facilmente que as melhorias são estrondosas em todos os sentidos. Os personagens foram melhorados, a ordem dos acontecimentos foi alterada de forma a ser mais perceptível e algumas secções foram inteiramente substituídas ou removidas.

Na nova versão de Resident Evil 3 as interrupções são bem mais frequentes, um dos exemplos é quando Jill chama Carlos pelo rádio, nessa altura sabemos que estamos em segurança. O mesmo acontece ao contrários, quando Carlos chama Jill pelo rádio seja para dar alguma instrução nova ou para saber onde ela se encontra.

Apesar de esta interação ser bem interessante isso acaba com a sensação de solidão que os jogos de horror pretendem transmitir e corta um pouco o sentimento de claustrofobia.

Algo que adorei no início do jogo foram as partes cinematográficas, digamos que o início do jogo é mais cinematográfico do que jogado, e isso serve essencialmente para apresentar Nemesis  de uma forma mais bruta e grandiosa e com o maior impacto possível. É incrível ver Jill e Nemesis encontrarem-se décadas depois do primeiro encontro, e ao mesmo tempo é lindo ver como estas personagens melhoraram com o tempo.

Um ponto que reparei foi, se acham que Jill Valentine era corajosa no jogo original, então na versão de 2020 ela supera qualquer expectativa devido a sua determinação.

Mas o jogo não melhorou só com Jill, Carlos e Nemesis… Existem uma outra personagem que será sempre memorável, estou a falar de desprezível Nikolai Zinoviev. Esta personagem cumpre um papel muito importante neste jogo e é impossível terminar este jogo sem nutrir um certo ódio por este personagem.

Novidades um pouco amargas…

Tal como já disse acima, o jogo traz algumas novidades e algumas delas não são bem o que se esperaria. Na primeira missão de Carlos, as coisas foram alteradas, apesar de ter sido uma experiência interessante faria muito mais sentido que fosse Jill a fazer aquela parte da história (tal como acontece no jogo original). Mas existem outras situações que poderiam ter sido feitas de outra forma mas que não me posso alongar sem fazer spoiler do jogo. mas devo confessar que este é sem dúvida alguma o mais sólido dos Remakes criados até hoje.

Jogabilidade…

Apesar de se aproveitar a base de resident Evil 2 Remake, a nova versão de Resident Evil 3 tem novas adições que lhe atribuem algumas particularidades importantes que tornam a jogabilidade mais fluida no que toca a movimentação das personagens. Mesmo assim por vezes ainda tive problemas com a esquiva que não funcionava da melhor forma acabando muitas vezes por ser apanhado pelos zombies quando estava a passar mesmo por baixo dos braços deles. Mesmo assim não deixou de ser uma excelente adição, imaginem como seria bom ter esta mecânica de esquiva no resident Evil 2 quando lutava-mos contra Mr. X…

Já a personagem Carlos Oliveira não conta com a mecânica de esquiva, ele tem uma mecânica própria. Ao apertarmos o botão que seria de esquiva, em Carlos esta mecânica tem um efeito diferente, ele empurra o zombie para longe dando um encontrão com força. eu gostei bem do pormenor tendo em conta que Jill é bem mais pequena que Carlos e tem mais facilidade de se esquivar. assim sendo Carlos que tem um tamanho maior do que a outra personagem usa o tamanho do seu corpo a seu favor afastando assim alguns dos inimigos.

Algo que também melhorou bastante foi o facto de agora existirem itens no D-Pad. Uma outra melhoria foi também a forma como adquirimos novos itens, agora já não é necessário abrir o inventário quando encontramos itens, agora o jogo carrega automaticamente esses itens e recebemos uma notificação no ecrã que nos indica que esses itens foram adquiridos, ou então a notificação avisa nos que o inventário está cheio.

estas duas novidades tornam Resident Evil 3 Remake o jogo muito mais dinâmico do que os anteriores he makes dos dois primeiros títulos.

Mas nem tudo são coisas positivas, alguns conceitos aplicados em Resident Evil 2 Remake foram deixados de fora como por exemplo usar madeiras para bloquear janelas e impedir e os zombies passem facilmente.  Nós agora nos encontramos em Racoon City e a mecânica das madeiras a impedir a passagem não faria muito sentido pois nós temos zonas externas com carros e objetos a barrar caminhos, mas poderia ter sido substituída essa mecânica por uma outra que se adaptasse bem a este novo jogo.

Quem é o inimigo principal…

O inimigo principal the Resident Evil 3 Remake é Nemesis, uma arma bio-orgânica criada pela Umbrella Corporation em forma de super soldado.

Nemesis e um aprimoramento do último ser da Umbrella Corporation, estou a falar de Tyrant. Nemesis pode usar armas e pensar de uma forma independente de forma a superar obstáculos tendo sempre como objetivo completar a sua missão.

Nemesis encontra-se Souto em Raccoon City durante a infecção do T-Vírus e as ordens são para assassinar todos os membros do S.T.A.R.S que sobreviveram ao incidente da mansão tendo como principal alvo Jill Valentine.

Um dos monstros mais icônicos the Resident Evil regressa então a este título absurdamente mais poderoso do que em qualquer outro momento da série. Posso dizer que morri várias vezes para Nemesis e muitas das vezes fui apanhado de surpresa. Ele é inacreditável, ele corre, só e pelas paredes dos prédios, puxa Jill usando os seus tentáculos e até usa uma bazuca causando muito mais dano e sendo muito mais ágil do que a personagem do jogo Resident Evil 3 original.

Escapar a Nemesis é muito complicado, se não existirem barris explosivos ou caixas de descargas elétricas do cenário a nossa única opção é correr e tentar pesquisarmos no tempo certo. derrotar nem mas isto não é impossível mas temos de encarar cada um dos encontros como um encontro único e nunca nos esquecemos que nem meses tem ataques a distância.

Nemesis não nos persegue durante todo o jogo, mas teria sido interessante ter Nemesis presente em mais situações.

Os cenários…

os cenários já são os habituais em Resident Evil 3 temos o hospital, os laboratórios da Umbrella e as ruas de Raccoon City. Tudo isto está incrivelmente detalhado com o motor gráfico incrível que nos deu não só personagens mais realistas do que em qualquer outro jogo da série como também nos deu cada localização do mapa muito rico em pormenores. Um ponto de destaque para a iluminação, está está muito bem conseguida.

lamentavelmente vemos conta que algumas das zonas e combates presentes em Resident Evil 3 original não estão agora presentes nesta versão de 2020.

Gráficos e som…

Bem-vindo a falar sobre os gráficos, e não há dúvida absolutamente nenhuma de que estes estão incríveis. quero detalhe cada pormenor pode ser visto a olho nu por cada jogador. impossível um jogador da primeira geração de Resident Evil 3 não dar conta das melhorias gráficas que este jogo tem. A atmosfera do jogo é bastante intensa e em conjunto com o áudio do jogo as coisas ficam bem mais intensas. existe um pormenor que inicialmente no causou uma confusão gigantesca e isso deve-se ao facto de algo no nosso cérebro disparar um certo receio que algum dos inimigos possa ter ouvido isso. Estou a falar de pormenores como Jill dar pequenos toques em objetos que estão no chão como por exemplo vidros, e esses objetos fazerem barulhos mais agudos. pensar que algum dos inimigos possa ter ouvido esses barulhos causa arrepios e deixa-nos alerta.

Pastilhas sonoras do jogo estão muito bem conseguidas com uma qualidade áudio superior ao título original e com músicas efeitos sonoros que nos deixam bastante tensos em alturas que o jogo fica mais intenso.

Conclusão…

Para quem gosta de jogos deste gênero, Resident Evil 3 Remake tem estar na sua lista de jogos. A personagem Nemesis regressa bem mais forte e agressivo relembrando-nos porque é que ele é lembrado como um dos inimigos mais poderosos da franquia. Jill Valentine chega agora mais determinada do que em qualquer outro jogo da série dando aos fãs mais motivos para amar esta personagem.

Resident Evil 3 Remake chega até nós com uma ambientação incrível, uma história atualizada, Um ritmo frenético e personagens mais realistas do que na versão do clássico de 1999. Tenho pena da exclusão de algumas localizações do jogo original e de alguns dos seus enigmas. Mesmo assim este jogo continua a ser o melhor Remake que a franquia já teve.

Este é um jogo que eu recomendo e que devo fazer parte da coleção de qualquer jogador.

Nota: 9/10

Positivo…   Negativo…
Nemesis está mais assustador.   Faltam opções de defesa.
Jill Valentine está incrível.   Poucos enigmas.
Carlos finalmente conquista os fãs.   Ausência de locais do jogo original. 
História renovada e adorada.