A Sony é conhecida pelos seus exclusivos de grande qualidade e o seu passado tem jogos como The Last of Us, Horizon Zero Dawn, Detroit: Become Human e muitos mais. Desta vez temos o jogo Days Gone que chegará as consolas a 26 de Abril de 2019 e que promete ser mais um jogo de extrema qualidade.

No decorrer do mês de Fevereiro a nossa equipa foi convidada para testar o jogo, digamos que foi um hands-on que durou quase 2 horas e que deu para ver muita coisa. Este teste foi feito em conjunto com o meu amigo e streamer "TozeMassas" e na nossa opinião é que teremos aqui um jogo muito mas muito top.

Vamos tentar falar um pouco sobre o jogo mas sem tocar em pontos sensíveis, afinal de contas não queremos falar de nada que possa comprometer a vossa experiência no decorrer da história.

A nossa personagem é Deacon St. John e é um membro de um antigo grupo de motards. O jogo decorre num mundo pos-apocalíptico  que se baseia na cidade de Orego, nos Estados Unidos da América. Não se sabe ao certo que eventos levaram o mundo ao ponto em que se encontra, muito provavelmente acabaremos por saber no decorrer do jogo (ou não). Pelo que pudemos experimentar, uma grande parte da população mundial transformou-se nos chamados "freakers", uns seres bem idênticos aos zombies mas com muito mais velocidade e bem mais agressivos.

O inicio da história serve como um tutorial que nos vai ensinar as mecânicas do jogo e que nos vai colocar a par de uma história do jogo. Não entrando muito em pormenores, a história leva-nos e esconder a nossa moto por causa de uma avaria. para concertar a nossa moto temos de arranjar uma determinada peça e para isso teremos de ir a um determinado local do mapa (uma antiga garagem) e iremos vasculhar tudo na esperança de encontrar o que queremos. A particularidade é que esse local está infestado de "freakers" e a nossa personagem terá de traçar um plano para conseguir entrar na garagem em busca da peça que necessita sem correr grandes riscos.

Mas Deacon não está sozinho, ele tem um parceiro que aceita servir de isco de forma a atrair o maior numero possível de "freakers" para fora da garagem, e o plano deles até funciona bem ficando um pequeníssimo numero de "freakers" dentro da garagem que podem ser limpos facilmente de forma furtiva.

 Os "freakers" são a primeira fase de transformação dos "infetados" (chamemos-lhe assim), eles parecem bem inocentes mas na realidade são extremamente rápidos e causam um dano absurdo com as suas unhas afiadas e ataques descontrolados. Os "freakers" parecem ser os mais fracos de uma variedade de "infetados" que nos vão dar muito trabalho, principalmente quando andam em bandos de dezenas ou centenas que correm desenfreadamente na nossa direção e dizimam tudo por onde passam.

Mas se pensam que os "infetados" são a nossa principal preocupação, então estão totalmente enganados. A nossa preocupação sao mesmo os outros seres humanos que estão divididos em várias facções e que nos vão levar a várias histórias bastante emocionantes.

Não nos limitamos a seguir a história que nos foi apresentada, nós fomos explorar um pouco e a liberdade que nos foi dada é incrivel. Exploramos acampamentos civis e acampamentos militares, tendo em conta que nos acampamentos militares é onde encontramos o melhor loot para nos equiparmos para defrontar tanto os "infetados" como as varias facções de seres humanos que estão espalhadas por todo o mapa.

A nossa personagem pode carregar uma pistola, duas armas e uma "Meel Weapon". Dentro das pistolas pude experimentar uma 2 armas diferentes apesar de ter a certeza que existem mais pistolas diferentes espalhadas pelo jogo. No que toca as duas armas que podemos carregar, estas podem ser rifles de assalto, rifles de precisão, shootguns,  sub-machines, smi-automaticas outras que não devo ter encontrado no jogo. Em relação as "Meel Weapon" foi nestas que fiquei mais surpreendido, dentro deste tipo de armas temos facas, catanas, bocados de madeira, tacos de basebol, tacos de basebol com pregos na ponta e muito mais.

Um dos pontos que gostei bastante é que para alem de termos de evoluir a nossa personagem também temos de evoluir e cuidar da nossa mota. Afinal de contas, quando precisamos deslocar-nos de um ponto ao outro ou quando precisamos fazer uma fuga imediata é com a nossa mota que nós contamos. Para isso temos sempre de vasculhar os locais por onde passamos de forma a podermos apanhar peças que vão concertar a nossa moto ou fazer um upgrade a mesma. Numa das primeiras missões do jogo temos de ir a uma garagem vasculhar o edifício de forma a tentar encontrar uma peça para reparar a nossa moto... Foi algo bem interessante pois tivemos de fazer com que os "freakers" que se encontravam no seu interior saíssem e levassem um rumo oposto ao nosso para podermos entrar e vasculhar sem correr grande perigo.

Outro dos grandes pormenores é a gasolina, teremos de ir abastecendo a nossa mota sempre que possível. Pelos acampamentos e casas que vamos passando iremos encontrar de vez em quando bidões de gasolina, devemos dirigir-nos a nossa mota e junto do deposito iremos iniciar o comando para atestar o deposito da mota. Façam isso sempre que possivel pois por vezes podem levar bastante tempo até encontrarem novamente um bidão de gasolina. 

Mesmo assim ainda ficaram alguns "freakers" para limpar, mas foi nessa altura que entrou a vertente mais furtiva onde eliminamos todos os "freakers" de forma a não chamar a atenção de mais "freakers" que pudessem estar nas redondezas. Para alem das melhorias mecânicas temos também os aspetos visuais que vão dar um ar mais cool a nossa moto.

O armamento é algo também muito interessante, apesar de o acesso não ser propriamente ilimitado, vamos conseguir ter acesso a algumas armas e munições que nos vão ajudar, principalmente na altura em que nos depararmos com grandes hordas de "infetados". temos desde armas mais pesadas até as amrmas que fazem menos barulho e nos permitem derrubar os inimigos sem fazer barulho.

Tivemos hipotese de matar vários "infetados" mas não chagamos a parte em que aparecem hordas gigantescas para matarmos. Mas aposto que devemos ter de usar grandes estratégias que incluem o meio ambiente.

Inevitavelmente iremos sempre fazer comparações com outros jogos e com Days Gone isso não é diferente, e acho que a nível de jogabilidade este jogo está muito a imagem do que pudemos ver em The Last of Us, o que por si só acaba por ser uma boa noticia. 

Graficos...

Este foi um dos pontos que me deixou extasiado e que irá deixar qualquer jogador maravilhado, os ambientes são muito bonitos e nota-se uma certa atenção aos pormenores. Days Gone pretende retratar estes ambientes de uma forma um pouco mais séria, ao contrario de títulos como Dead Rising que acabam por satirizar vários momentos do jogo tornando o jogo em algo mais descontraído. Em alguma altura senti que o jogo perdesse qualidade ou que houvesse uma perda repentina de frames. mas estávamos a jogar na PS4 Pro o que por si só deve fazer alguma diferença.

Som...

O sistema de audio pareceu-me muito bem e o jogo estava em Inglês onde a voz das personagens me pareceram bem naturais. O som ambiente estava incrível com os barulhos das aguas, "infetados", motos, tiroteios e muito mais a terem bastante impacto na experiência de jogo.

Conclusão...

Para terminar e poder fazer uma review mais aprofundada a partir de 26 de Abril, devo dizer que fiquei muito satisfeito com a experiência e que estou ansioso por poder ter este titulo nas mãos. A personagem Deacon parece-me muito bem e quero muito saber mais sobre o seu passado e sobre o seu futuro. A escala do mundo que foi criado é gigantescas e ainda bem que temos a nossa moto para nos deslocarmos. Caso contrário esta seria uma experiência muito penosa. 

Agora resta aguardar o lançamento de Days Gone e ver o que Deacon tem para nos oferecer e sabermos como o mundo chegou a este ponto.