Pessoal sejam muito bem-vindos a review the Days Gone. Days Gone tem sido um dos jogos mais esperados deste ano, ele é um exclusivo da PlayStation 4.
Em Days Gone nós vamos encarnar a personagem Deacon que é um motociclista e ccaçador de recompensas. Esta personagem não quer ser um herói, pelo contrário ele busca simplesmente sobreviver mais um dia e é sobre o lema "fins justificam os meios" que esta personagem vive a fim de fazer qualquer coisa para se manter vivo.

História...
A história do jogo acontece dois anos após um terrível e misterioso vírus ter infetado todo o mundo, os humanos e os animais quando são infectados por este vírus começam a ter comportamentos bastante agressivos. Quando o caos acontece o ser humano entra em modo sobrevivência onde as regras e as leis deixam de existir, os amigos viram inimigos e acabam por ser criadas facções que acabam por se sobrepor a governos e instituições que possam garantir a nossa segurança.
Deacon é um personagem duro mas que se recusa a deixar o passado lá atrás e acaba por se tornar uma pessoa bastante amarga mas com esperança no futuro.


Este nosso motoqueiro acabou por se tornar num caçador de recompensas e ao longo de toda a sua jornada ele acaba por conhecer acampamentos onde aceita algumas tarefas em troca de algo. Conforme vamos completando objetivos destes acampamentos a confiança na nossa personagem vai aumentando, o que nos permite desbloquear novas armas, itens, equipamentos e melhorias.
As missões do jogo são bem diversificadas, elas variam bastante, podemos ter de resgatar reféns, buscar suprimentos, eliminar grupos de saqueadores, limpar áreas e até mesmo fazer perseguições. Deacon tem uma característica bastante interessante ele consegue seguir rastos e localizar com alguma facilidade pessoas ou provas. Esta personagem faz-me lembrar muito a personagem Daryl da série Walking Dead. Pode até ser uma simples coincidência, mas o que é certo é que ambas as personagens adoram motas, são muito boas a seguir rastos e ambas as personagens são autênticos sobreviventes.

No jogo iremos encontrar muitas missões e a grande parte delas são bastante diversificadas, e apesar de não serem missões tão amplas como as que podem ser vistas no jogo The Witcher 3 ainda assim o jogo acaba por oferecer uma cadência bem interessante. Infelizmente acaba por se tornar um pouco mais repetitivo no final da história do jogo.
Days Gone inspirou-se em vários exclusivos da Sony PlayStation, podemos ver claramente que a exploração de locais e a forma como apanhamos recursos vem do jogo The Last of Us, iremos certamente também perceber que a movimentação da nossa personagem faz lembrar muito a movimentação da personagem de Joel e que forma como o mapa é exibido acaba por nos remeter ao jogo Horizon Zero Dawn. Não é que o sistema seja exatamente igual mas acaba por se perceber nitidamente que houve muitas inspirações nestes jogos.
Days Gone é um jogo bastante competente com uma storyline bem interessante. Conforme vamos avançando na história vamos descobrindo novas personagens e novos enredos que acabam por nos fazer querer saber mais. Existem bastantes sub-enredos dentro da história principal e isto acaba por se tornar natural e orgânico e acaba por nos mostrar um pouco do passado de Deacon que nos liga a eventos recentes. A história é bem poderosa e têm missões muito consistentes, podemos dizer que é um título de grande peso para a PlayStation.

Muitos são os que vão dizer que o jogo termina e acabou, não há mais nada para fazer, mas estão enganados o fim não é propriamente um fim, a conclusão da trama principal tem cerca de 30 horas e o jogo abre outras missões diretamente relacionadas com o endgame e existem muitas histórias que se abrem após terminar a história propriamente dita.

Jogabilidade...

Days Gone é um jogo bastante simples, é um jogo em terceira pessoa onde nós iremos dar certamente muitos tiros, nas missões termos de enfrentar várias ameaças sejam elas com armas brancas ou armas de fogo. Podemos escolher vários tipos de abordagem, podemos ser furtivos podemos esgueirar-nos por entre os arbustos ou então podemos simplesmente carregar no gatilho e lagar só quando tivermos eliminado todos os nossos inimigos. No que toca à armas o jogo está muito equilibrado nós podemos carregar até três opções de armas de fogo, uma Rifle de Assalto, uma arma pesada e uma arma de porte (pistola ou submetralhadora).
Conforme vamos avançado no jogo vamos também conquistando a confiança dos acampamentos, o que faz com que outras opções de armamentos nos apareçam. Temos ainda a opção da arma corpo a corpo, neste tipo de arma a diversidade é enorme, temos desde bastões de beisebol, tábuas, facões, machados e até mesmo facas táticas. Com exceção da última arma que acabei de dizer as outras têm a possibilidade de melhoria.

Infelizmente os nossos inimigos tem uma inteligência artificial bem fraca, a maioria deles não flanqueiam o jogador e não elaboram estratégias de forma a conseguir eliminar o jogador. Os inimigos humanos são quase tão burros como os inimigos infectados, caso contrário nunca viriam para cima de nós com uma simples tábua quando estamos armados até aos dentes.
Os únicos e inimigos que nos desafiam um pouco são as milícias, e mesmo esses acabam por ser simples de derrotar. O jogo conta com três árvores de habilidade e nós podemos concentrar nos em cada uma delas e moldar a nossa personagem de acordo com o nosso estilo de jogo, mas é importante investir tempo em todas as árvores de habilidade.
Uma das coisas que mais sente falta em Days Gone é um sistema de proteção, a nossa personagem não tem um cover, ela simplesmente se limita a ficar baixada atrás das barricadas e as coisas complicam quando somos atacados por muitos inimigos.
Na minha experiência durante o jogo encontrei alguns problemas que foram resolvidos com uma atualização gratuita que a Sony fez ao jogo. Existiam eventos que por vezes não iniciavam, não aparecia a opção para iniciar esse evento ficávamos simplesmente retidos nesse local. A única forma de conseguirmos sair desta situação seria restaurar o último Checkpoint, algo que por vezes não seria vantajoso para nós.
Mas este jogo não é feito só de pontos negativos um dos pontos mais positivos que encontrei neste jogo foi o controle que temos sobre a mota. É muito fácil controlar a moda ela é bastante manobrável, ela faz curvas com bastante facilidade o que é útil para quando necessitamos fugir dos nossos inimigos. O sistema de drift é um dos elementos mais interessantes que encontramos na jogabilidade com a mota, é necessário cuidarmos da nossa mota e substituirmos peças de forma a fazermos melhorias para que sempre que seja necessário fugir ou nos deslocarmos para determinada zona a nossa mota possa responder o mais rápido possível evitando assim mortes desnecessárias.

Um dos pontos que eu achei bastante interessante é o facto de nós termos que gerir constantemente o depósito de gasolina da nossa viatura, se não tivermos isso em atenção poderemos ficar mal em qualquer zona do jogo e isso pode ser o nosso passaporte para a morte.

Durante toda a nossa jornada vamos encontrar sucata que podemos usar a qualquer momento para reparar alguns danos das nossas armas, da nossa mota ou até mesmo para construir alguns itens.
Ainda em relação a moto, convém sempre ter o olho no nível da gasolina, facilmente ficaremos apeados numa zona remota onde não encontraremos gasolina para abastecer a nossa moto e assim teremos de fazer o percurso a pé.  Não é que não existiam outras motos no jogo que possamos pegar e andar mas o que é certo é que a nossa moto ficará sempre marcada no mapa e essa será a moto que nós teremos que recuperar e poderemos fazer melhorias. Convém não deixar a moto muito longe da nossa personagem pois caso contrário teremos que fazer o caminho a pé e isso pode ser perigoso para a vida da nossa personagem, já para nao falar que é na nossa moto que fazemos o save do jogo.
A nossa moto pode ser personalizada de várias maneiras e pode sofrer melhorias mecânicas de forma a torná-la mais poderosa.  Podemos também fazer updates a nível visual, é certo que os updates não são assim tantos como gostaríamos de ver mas tem melhorias bem interessantes a nível de pintura e a nível de cores.
 
Gráficos...
A nível gráfico o jogo está muito bem conseguido e posso dizer que o que mais impressiona em todo o jogo são os seus ambientes. Um dos lemas de jogo é que "este mundo nunca te dará tréguas".  Isso é bem verdade pois tanto estamos a fugir de zombies que vem na nossa direção como estamos a eliminar ninhos de zombies que estão espalhados por todo o mapa ou a ter quedas épicas com nossa moto.  Temos também várias missões principais e secundárias e vários objetivos a cumprir em todo o mapa.
No que toca ao ambiente existem vales, montanhas geladas, planícies, pântanos, florestas densas, regiões mais áridas e muita destruição à mistura. No mapa dejogo iremos encontrar carros abandonados, pessoas enforcadas, vilas abandonadas, corpos amontoados por todo lado e tuneis escuros com várias viaturas a travar o caminho.
Esta review foi feita numa consola PS4 Slim e por tudo o que eu pude ver o jogo está muito bonito com um grande destaque para as variações climáticas. Os jogadores podem apreciar os ambientes húmidos, a neve, o pôr-do-sol, os trovões e até mesmo chuvas torrenciais que acontecem constantemente e que baralham completamente os  zombies. Andar durante uma severa tempestade é bastante assustador mas tem as suas vantagens, pelo que pude perceber tanto os Freakers como os Creepers têm a sua audição menos apurada quando chove e existem raios, isso deixa os baralhados.
Como eu disse acima, no mundo de Days Gone nunca estamos a salvo, existem vários inimigos como por exemplo os Freakers,  os Breakers  e ainda os Atalaias (um inimigo que tem a capacidade de nos derrubar da mota quando estamos em andamento), mas para além destes inimigos temos ainda animais os ursos, os pumas, os lobos, as gazelas, os corvos e uma mutação bem mais evoluída dos Freakers.  Existe ainda os humanos ou seja os Ripers,  uma espécie de culto aos Freakers que também dão um trabalho enorme.
Andar pelo mapa de Days Gone durante o dia é menos perigoso,  apesar de os inimigos serem mais fortes eles aparecem número mais pequeno, já andar a noite é um belo convite à morte.
À noite podem acontecer várias situações Inesperadas imaginemos acabar de limpar um acampamento de saqueadores e de um momento para o outro surgir uma matilha que vai acabar por nos matar.  Outro dos exemplos é o jogador de tentar ligar os geradores da NERO, uma instituição de pesquisa,  nesse momento vão aparecer um monte de zombies que nos vão tentar apanhar.  Mas por agora ainda só estamos a falar dos pequenos grupos,  ainda falta falar das hordas de zombis presentes no jogo.
Existem cerca de 40 hordas de zombies espalhadas pelo mapa,  o tamanho dessas hordas pode variar entre os 50 e os 500 Freakers. Estes zombies saem principalmente à noite para se alimentar e beber água, alguns deles ficam em pontos fixos mas outros acabam por se movimentar pelo mapa dando a então origem estas grandes hordas. Bater de frente com uma destas hordas é simplesmente assustador, ao mesmo tempo consegue ser divertido.
 
É neste momento que o jogo se torna Bastante divertido e desafiador...
Como será possível derrubar hordas e hordas de zombis?
A ideia é simples consiste a estudar bem o local onde estas hordas se encontram, planear com antecedência aquilo que pretendemos fazer, criar bombas remotas, cocktails Molotov, granadas e traçar uma rota de forma a que tudo possa correr bem.  Se não funcionar, então voltamos a analisar tudo e a criar nova estratégia.
Estas hordas são  rápidas e fulminantes e será muito fácil desesperar e esquecer completamente a estratégia de jogo, assim que somos apanhados a hipótese de fuga é nula, os zombies acabam por nos destruir em segundos.
No início tudo nos vai parecer demasiado complicado mas com algumas tentativas vamos conseguir seguir com o plano traçado.  Um conselho que dou a todos é evoluir as barras de estamina e energia pois vamos precisar delas, afinal de contas correr e rolar consome muita dessa  energia.
Se vocês tiveram a oportunidade de ver o trailer de Days Gone lançado na E3 como certamente viram Deacon com aquelas hordas gigantescas na serralharia... Posso garantir que é mesmo assim.
 
Pequenos e grandes polimentos...
Tal como muitos jogos em todo o mercado de videojogos Days Gone não é exceção, este jogo também precisa de alguns polimentos em algumas áreas.  O jogo sofre um pouco com alguns bugs já relatados e alguns problemas de desempenho, isso nota-se mais em espaços de mundo aberto onde por vezes o jogo engasga um pouco tendo alguns problemas no carregamento de texturas. Outro dos pontos que poderia ter uma melhoria significativa são as falas que aparecem no rádio que Deacon transporta, existe um personagem que chega a repetir a mesma mensagem mais do que uma vez, chega mesmo a ser chato.
Não podemos esquecer do ecrã de carregamento do jogo, o tempo que esse ecrã leva para o carregamento do jogo é enorme deveria ser  substancialmente reduzido.
 
Conclusão...
Days Gone é um jogo impressionante que não pode ser simplesmente considerado um jogo de zombies, este é um jogo com identidade. Atravessar o mapa de uma ponta à outra de moto é uma experiência bem interessante e acompanhado de uma trilha sonora de qualidade a viagem até se torna menos monótona.
Days Gone é um jogo que sofreu um pouco com a crítica por parte da imprensa escrita de videojogos. Creio que foram dadas notas baixas um pouco pela comparação direta com os jogos como The Last of Us ou até mesmo Horizon Zero Dawn.  O que eu quero que os jogadores entendam é que estamos a falar dos jogos com identidades diferentes e com vertentes e pontos de vista completamente diferentes, é certo que os jogos foram feitos para serem comparados mas existem comparações que são demasiado excessivas.
Finalizando da melhor forma possível, Days Gone é um jogo muito interessante que nos mostra o ponto de vista de uma personagem que abre mão de tudo para poder salvar a mulher que ama e pensa ter perdido devido a um desastre. Não me vou alongar muito mais no que toca a história de forma a não estragar a experiência de jogo a jogadores que possam vir a jogar este título. A nível gráfico este jogo está incrível tem um ambiente de jogo muito bom e acredito que próximas atualizações possam vir a corrigir alguns dos problemas que o jogo ainda tem.  No que toca ao áudio do jogo este tem trilhas sonoras incríveis e que o jogador certamente vai apreciar,  já ao nível das dublagens para o português de Portugal posso dizer que as mesmas estão muito bem feitas apesar de muitas das vezes se tornarem repetitivas.
Fecho esta review dizendo que este jogo é altamente recomendado para quem gosta do estilo dos jogos de zombies, os nossos inimigos são bem diferentes daquilo que estamos habituados e esta nova geração de zombies tem a capacidade de nos conseguir perseguir e apanhar facilmente.

Nota:8,5/10

Positivo…   Negativo…
Personagem principal carismática.   Loadings de jogo longos.
Trilhas sonoras envolventes.   Baixa nteligência artificial dos inimigos.
História do jogo incrível.   Carregamento de texturas.