Olá guardiões, sejam muito bem-vindos a review de Destiny 2.

Muitos jogadores foram os que ficaram rendidos ao mundo de Destiny, e durante 3 anos fizerem de Destiny também o seu mundo. Destiny acabou por se afirmar como um grande título dentro do género MMO de ação em primeira pessoa. Mas tal como eles, muitos eram os que estavam a espera de um segundo título e este acabou por vir. O primeiro título, tal como este segundo, foi criado pela grandiosa Bungie e tornou o primeiro titulo da serie numa obra-prima. Não quer isto dizer que o primeiro título de Destiny foi perfeito, longe disso.

A história era um pouco confusa, encontrar as missões história dentro do jogo eram inicialmente confusas também e apesar de haver muito para fazer, o jogo tinha tudo amontoado de tal forma que o jogador acabava por se afogar em tanta coisa que havia para fazer.

Depois de algumas horas a jogar o primeiro título deste jogo já iriamos entender e acabaríamos por conseguir seguir a linha da história de forma a conseguir completar a mesma.

A história principal não era propriamente a melhor, mas a Bungie acabou por disfarçar isso com as histórias dos novos DLC´s que foi lançando para o jogo. Assim as coisas ficaram mais interessantes e mantiveram jogadores como eu, agarrados a este jogo por anos. Infelizmente, para os que conseguiram comprar o jogo após o lançamento de todos os DLC´s, acabou por se misturar nas várias histórias do jogo acabando por estar a fazer missões onde eram leais aos senhores de ferro e os estavam a ajudar com as suas missões e logo de seguida estavam a trair os mesmos com missões de outros clãs. Uma trapalhada que acabou por fazer muitos desistir.

Mas passando a review de Destiny 2 que é para isso que aqui estamos. Destiny 2 acontece um ano após os eventos do DLC “Rise of Iron”. Agora os guardiões têm de se preparar para uma nova ameaça vinda por parte dos Cabal, mais precisamente por parte da Legião Vermelha liderada pelo Dominus Ghaul. Este invade a terra com o objectivo de apanhar o “Viajante” (o planetóide que protege o sistema solar que dá os poderes de luz aos guardiões). Ghaul rouba a luz que emana do “Viajante” acabando por destruir a Terra no processo.

Ghaul inicia um ataque surpresa que surte efeito imediato e consegue aprisionar o Planetóide acabando por privar os guardiões da preciosa luz que lhes dá os seus poderes.

Mas Ghaul não conta com um pequeno revés, um guardião que consegue recuperar a sua Luz e assim liderar toda a resistência conta o impiedoso vilão.

A história de Destiny 2 é interessantíssima, apesar de todos já sabermos qual será o desfecho. É uma história bastante linear e conta com uma serie de missões principais que tem umas cinemáticas espetaculares pelo meio, como só a Bungie sabe fazer.

A história principal de Destiny 2 não é muito extensa, mas para além da história principal conta com um punhado de missões secundárias bem solidas que nos vão fazer delirar.

Todas as missões extra têm como objetivo testar a resistência humana mas acima de tudo tem como objetivo destruir os planos da Legião Vermelha e combater os Fallen, Vez, Hive e Taken que passam a vida a aparecer só para atrapalhar a nossa jornada.

Todas as fases do jogo têm diálogos com outras personagens que vão ajudar a dar vida a trama de Destiny 2. Este jogo tem uma longevidade de cerca de 15 horas, dependendo sempre do estilo de jogo e do ritmo de cada jogador.

 

Evolução…

Tal como no jogo anterior, a dada altura convém enveredarmos por outros modos de jogo de forma a podermos evoluir o nosso equipamento, pois acabará por deixar de haver armas interessantes.

Os itens raros (fundo azul) dão para chegarmos até ao nível 265 de Luz. Mas o jogo premeia os que mais investem no jogo, e esses prémios podem ser itens ou engramas Lendários (fundo roxo) e itens ou engramas Exóticos (fundo amarelo). Para que o jogador possa tentar a sua sorte existem os cofres de loot em eventos públicos e PVE.

Outros dos pontos que eu adorei neste jogo foi a atenção a jogadores mais solitários e que gostam de fazer a sua própria história sem ter de jogar PVP obrigatoriamente. Enquanto jogava o modo historia, somente entrei no PVP por 2 vezes para cumprir uma das etapas que me estava a ser proposta pelo jogo, de resto tudo o que ganhei no jogo foi a jogar sozinho ou com amigos em PVE.

Fico feliz por saber que os modos de Crucible (PvP) têm agora menos relevância e a alternativa passa agora para as Strikes sejam elas da Vanguarda ou da Nightfall.

 

Classes e Sub-Classes…

Existem algumas alterações que devem ter saídas em conta uma vez que todas as classes foram revistas. As Classes continuam as mesmas, Titans, Hunters e Warlocks, estas classes terão as mesmas três subclasses com uma progressão própria baseada em poderes de elementos singulares (tal como acontecia no primeiro jogo).

Os Hunters mantém as sub-classes Gunslinger com a sua pistola dourada (Solar) e Nightstalker com o seu infame arco Shadowshot (Void). Contudo, a sub-classe baseada no poder Arc já não é a famosa Bladedancer, mas sim a Arcstrider com o seu bastão. Mantém o poder da electricidade, movendo-se com rapidez, agora sem os seus punhais.

Os Titans voltam a receber a poderosa sub-classe Sunbreaker (Solar) e o seu devastador martelo solar, além da Striker (Arc) com os seus Fists of Havoc. Substituindo a sub-classe Defender está a nova Sentinel  (Void) que oferece o que já foi chamado de “escudo do Capitão América” por causa da capacidade de proteger e repelir projécteis.

Já os Warlocks recuperam as sub-classes Voidmaker (Void) com a sua Nova Bomb e a Stormcaller (Arc) com a sua Stormdance. No que toca à sub-classe Sunsinger do primeiro jogo, é também trocada, desta feita pela Dawnblade (Solar) que oferece a capacidade de lançar espadas solares vindas de cima.

Em relação as armas, estas sofreram uma reorganização que faz todo o sentido. Elas continuam a estar distribuídas em três slots ativas com restrição de uma arma exótica por guardião. Felizmente agora já não apanhamos armas que não pertencem a nossa classe ao contrário do que acontecia no título anterior.

As armas estão distribuídas por três categorias a Kinetic, Energia e Power (antigamente eram a Primarias, Secundarias e Pesada).

As primeiras são armas simples, sem poderes e apenas com munição normal. As segundas são armas com poderes elementares (Solar, Arc e Void). Já as terceiras são compostas por todas as armas pesadas também elementares, mas agora incluem igualmente as de grande impacto, como as espingardas sniper e caçadeiras.

Quer tudo isto dizer que as armas primárias acabam por ter mais impacto diretamente nos inimigos sem escudo ou sem poderes de elementos. Já as secundarias são mais leves mas acabam por ter mais impacto contra inimigos com poderes de elementos. Em relação ao terceiro grupo, este serve para inimigos mais poderosos e que têm um uso mais raro devido a escassez de munições para estas armas.

Todas estas alterações as categorias/grupos de armas acabam por modificar um pouco a jogabilidade. Anteriormente as caçadeiras eram usadas para limpar salas e para matar a distância usávamos as sniper rifles, mas agora essas escolhas podem não ser as mais acertadas. Mas isso nota-se muito mais nas Cricible (PvP) onde anteriormente essas armas faziam grandes estragos acabando por criar momentos muito injustos no decorrer das partidas.

 

Planetas…

Não há nada como novos planetas para explorar e dar uma lufada de ar fresco a esta serie. O primeiro título acabou por se tornar pequeno no que toca a planetas e a zonas para explorar, assim sendo a Bungie criou novos espaços e novos planetas para que o jogador tenha maiores zonas para explorar dentro de cada um dos planetas.

Os atuais planetas são gigantescos e cheios de pormenores e salas secretas para podermos explorar e cada um dos planetas tem particularidades impressionantes.

.As plataformas da Lua Titã, as vastas planícies do asteróide Nessus, as escarpas verdejantes da Lua Io e até a abandonada European Dead Zone na Terra, são locais fantásticos com muitos pormenores únicos. Aliás, todo o motor gráfico do jogo foi expandido para dar mais vida aos locais por onde passamos, onde nem faltam alguns pequenos animais. Não diria que há mais qualidade geral, mas há mais rigor e o design de alguns espaços é mesmo fenomenal. Sobretudo nas enormes salas dos Strikes por onde passamos.

 

Micro-transações…

As micros transações estão de volta, estas tiveram muitas críticas no primeiro título da franquia. Esta é uma forma de muitos jogadores, que não querem jogar, poderem comprar os engramas exóticos ou brilhantes e adquirir equipamentos de grande qualidade acaba PPR deixar em desvantagem quem realmente joga o jogo e explora as áreas dos planetas.

A cada novo nível ganhamos um engrama brilhante, nesse engrama pode sair-nos armas ou equipamentos exóticos ou lendários, mas também pode sair outro bónus de elevado valor. Mas se não estiverem com paciência para subir mais um nível e ganharem um novo engrama brilhante, então podem comprar moedas de prata na PlayStation Store ou na Xbox Store e assim investir essas moedas nos engramas brilhantes. Não quer isso dizer que irá sair o equipamento ou arma que tanto queres, esses itens são aleatórios, mas quem sabe se a sorte não te sorri. Na minha opinião era um ponto desnecessário, afinal de contas se compramos o jogo é para o jogar.

 

Conclusão...

Destiny é sem dúvida alguma o meu jogo preferido, posso ter muitos jogos de que sou fã, mas Destiny tem o lugar especial no meu coração. Sou um guardião, um guerreiro e tenho uma família de guardiões que me irá proteger sempre.

Eu pertenço a um clã, passo já a publicidade dos “Jokers Tuga”, eles são muito unidos e ativos e dá gosto pertencer a um grupo assim.

Dou um especial destaque as classes e aos novos grupos de armas que que fazem agora mais sentido e estão muito mais equilibrados do que no titulo anterior. A história e as missões secundarias dão-nos Dezenas de horas para usufruir desta incrível experiência.

É certo que o investimento que foi feito no PvE é capaz de não agradar aos jogadores de PvP, mas foi a forma de equilibrar o jogo um pouco mais e agradar a gregos e a troianos.

O jogo está disponível para PS4 e Xbox One e em breve chegará ao PC

 

Nota: 9,5/10

 

Positivo…

Ajuste das subclasses e armas.

História do jogo.

Progressão e recompensas.

 

Negativo...

Micro-transacções.