Estou numa altura da minha vida que nem sempre é fácil parar um pouco em frente a secretária para poder jogar um pouco de forma a descontrair depois de um dia de trabalho. Mas as consolas portáteis permitem colmatar um pouco essa falta de tempo.

Eu adoro jogos de zombies mas as consolas portáteis não têm assim tantos jogos deste gênero, por isso é com grande prazer que eu vejo chegar a consola Nintendo Switch o jogo Into the Dead 2.

Este é um jogo muito idêntico ao seu antecessor, podemos descrevê lo como um jogo de corrida em primeira pessoa em que temos de ir do ponto A ao ponto B. Durante a nossa corrida iremos ter de nos desviar de carros em chamas, celeiros, casas e grupos de zombies de forma a conseguirmos chegar ao local onde iremos falar com o nosso grupo através do rádio transmissor. As munições são bastante reduzidas por isso convém não falhar muitos tiros, afinal de contas iremos desviar-nos dos zombies mas podemos e devemos abater alguns durante a corrida, o próprio jogo nos dá o objetivo de abater uns quantos seja de pistola ou de shootgun.

Estas corridas e objetivos fazem com que se vão desbloqueando novas armas e peças para as mesmas, por isso convém chegar sempre o mais longe possível sem ser rasgado ao meio por um zombie.

Into the Dead 2 é um jogo divertido e cada nível é relativamente rápido podendo fazer alguns níveis em poucos minutos.

Para além dos desafios referentes a cada uma das corridas ainda temos os desafios diários onde podemos ganhar dinheiro extra enquanto testamos armas que não estão no nosso inventário. Temos ainda o modo sobrevivência onde tentamos aguentar em jogo o máximo de tempo possível e esses dados são comparados com os dados de outros jogadores ao redor do mundo.

História…

O jogo conta com um modo história que não é nada de mais, temos a nossa personagem que está a tentar chegar a sua família e amigos e que vai fazendo o relato do local onde está ou por onde passa e não chega a ser o suficiente para prender os jogadores. A maioria dos jogadores irá passar essa parte do jogo a frente acabando por nem saber ao certo do que se trata.

 Gráficos…

No que toca a gráficos, estes estão bem conseguidos, muito na imagem do que foi feito na série de "The Walking Dead", eu gostei bastante apesar de achar que poderiam haver mais tipos de zombies, afinal de contas parecem haver uns cinco ou seis tipos de zombies que se vão repetindo. De resto as estruturas estão muito bem conseguidas e o ambiente de jogo está bastante credível.

 Som…

Neste quesito posso dizer que não achei que estivesse bem, temos o som de zombies, mas que se vão repetindo muito ao longo da corrida, tal como acontece nos tipos de zombie. As armas apesar de terem um som diferente não conseguem transmitir o tipo de realismo que se esperava.

Um ponto positivo para a narrativa e vozes das personagens, estão muito bem apesar de a história também não exigir muito dos atores.

 Jogabilidade…

O jogo está bem construído, tendo em conta o gênero, e tem bastantes armas para brincar. Temos desde espingardas, rifles automáticas, pistolas e até tem granadas para derrubar quantidades de zombies, mas temos de ter em conta que as munições são limitadas. Temos também alguns companheiros de viagem, estou a falar de cães, estes ajudam a derrubar os zombies que nos aparecem pelo caminho (mas por vezes contornam os zombies ignorando-os).

O jogo no início parece bem simples, e chegamos ao fim de cada corrida com facilidade. Temos vários objetivos em cada corrida e é possível repetir a corrida para terminamos os objetivos em falta. Cada um dos objetivos nos dá uma estrela, e as estrelas vão acumulando para desbloquearmos o mapa seguinte e também algumas armas.

Mas conforme vamos avançando no jogo este vai ficando mais difícil e daremos por nós desesperados a procura de uma caixa de munição e a ser rodeados por zombies.

Voltando ainda as caixas de munição, com a dificuldade em controlar a nossa personagem parava esquerda e para a direita, porque esta vai em corrida, por vezes iremos ver certas caixas de munição mas não iremos conseguir alcançá las, esta vai ser uma das maiores frustrações.

Outra das frustrações é quando corremos contra um celeiro ou um carro que não conseguimos transpor, a nossa personagem vai continuar a correr enquanto o jogo se move para a esquerda ou para a direita dependendo do lado para que está inclinado o obstáculo. Se as paredes ou obstáculos forem muito amplos, corremos o risco de ser atacados pelos zombies por trás.

Assim sendo fica aqui a informação de que este jogo vai acabar por exibir do jogador muitas tentativas e erros, algo que poderá deixar alguns jogadores mais desanimados.

 Conclusão…

Posso dizer que gostei do jogo, é um bom jogo para jogar nas horas vagas.

O jogo foi-me enviado para teste para a Nintendo Switch e posso dizer que é um jogo que fica bem nesta consola portátil e que faz com que a coleção de jogos na Nintendo Switch continue a aumentar de uma forma positiva.

Posso garantir que desbloquear todas as armas do jogo poderá levar algum tempo principalmente porque o custo das armas é em ouro e este é um recurso bem difícil de acumular ou encontrar em quantidades.

Into the Dead 2 é um jogo interessante e vai deixar os jogadores ocupados por algum tempo, algo bem interessante e que ocupará os jogadores mais casuais e fãs de zombies.

 

 

Nota: 7/10

Positivo…   Negativo…
 Chega a ser viciante.   Grandes obstáculos, quase morte certa. 
 Desafios diários fazem regressar.   Difícil alcançar munição mais distante. 
 Partidas rápidas.   Armas melhores são muito caras.