Metal Gear Solid V: The Phantom Pain
Editor rating
9.5
User rate
9.6
Global vote
9.5
Vote you too:
N/A
Release: 1/9/2015
Price: € 69.99

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain

Producer: Konami
  • Production: Konami
  • Release date: 1/9/2015
  • Recommended age: 3 years

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain é sem dúvida alguma um dos jogos mais falados da atualidade e um sério candidato ao jogo do ano. Metal Gear Solid V: The Phantom Pain vem no seguimento do jogo Metal Gear Solid V: Ground Heroes, um pré-jogo para abrir o apetite aos fãs da serie.

Ao contrário dos anteriores jogos de MGS que tinham muitas cut-cenes, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain é na sua maioria sobre a jogabilidade e as suas mecânicas.

 

História...

A história de Metal Gear Solid V: The Phantom Pain trata-se essencialmente de vingança, apesar de existir muito mais por de trás deste jogo, cabe ao jogador decidir qual o caminho que irá traçar para poder eliminar os seus inimigos.

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain mostra que aperfeiçoarmos as nossas habilidades durante o jogo é fulcral para podermos atingir os nossos objetivos.

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain é sem dúvida o jogo mais ambicioso que alguma vez este estúdio fez, e foi sem dúvida alguma uma grande aposta.

 

Jogabilidade...

Ao contrários dos jogos anteriores, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain é um jogo de mundo aberto. Em cada uma das missões somos levados a locais e regiões compostos por dois mapas, um no Afeganistão e outro na Angola. Estes mapas têm pequenas vilas com postos de vigia e tropas de guarda por todo o acampamento. Somos livres para explorar os cenários conforme nos apetecer. Em relação as missões, estes aparecem em partes e podemos tratar dessas partes na ordem que o jogador quiser.

Uma das estratégias mais inteligentes passa por subir a uma zona elevada de forma a observar tudo com os binóculos e assim poder traçar um melhor plano. Graças a essa estratégia poderá evitar algumas complicações desnecessárias e poerá também evitar guardas conseguindo chegar ao seu objetivo sem percalços.

 

Quando apanhamos um soldado inimigo desprevenido temos três opções, adormece-lo, mata-lo ou então a opção que eu mais gosto que é interrogar o inimigo. Afinal de contas esse interrogatório poderá dar-nos mais informações sobre a nossa missão como por exemplo obter localização precisa de um prisioneiro que devemos resgatar ou então informações sobre os guardas (companheiros inimigos) mais habilidosos, o que é uma excelente oportunidade para tentarmos recrutar esses guardas e assim completar o nosso exército na “Mother Base”.

 

Cada missão é uma missão nova, e cada uma dessas missões fará com que o jogador inove na maneira como encara cada cenário. Existem vários cenários com vários tipos de inimigos, e dentro desses cenários existem vários tipos de vilas e várias formas de nos infiltrarmos nessas vilas. Cabe ao jogador decidir como vai aceder a esses locais e se pretende ser um jogador agressivo ou cauteloso.

Outro ponto muito interessante é o facto de o jogador poder criar os seus próprios planos de extração ou distração dos inimigos. Cabe a nós ser inventivos o suficiente para fazer com que um plano possa resultar da forma que pretendemos. Assim, será possível que dois jogadores possam ter tido uma experiencia completamente diferente apesar de terem um objetivo igual.

 

A pontuação que nos é atribuída no final de cada missão vai variar mediante a nossa performance. Se formos detetados ou os inimigos atacarem com armas pesadas a nossa pontuação irá sofrer fazendo com que o jogador receba um “A” e não um “S”. Mas o jogo também consiste em atacar o inimigo e se essa for a nossa única forma então não há mal em sacar de uma metralhadora e derrubar um par de inimigos. A furtividade também é recompensada, quando entramos numa missão e conseguimos fazer essa mesma missão sem ser detectado (como um fantasma), então vamos ver os nossos esforços recompensados na pontuação final.

 

Uma das adições que vi inserida na serie e que adorei foi a adição de um companheiro. Nos jogos anteriores da serie, a personagem do jogo está sempre solitária (com raras excepções), mas em Metal Gear Solid V: The Phantom Pain podemos estar acompanhados nas nossas missões, seja com Quiet, com DD ou até mesmo com o nosso cão, cada uma dessas personagens tem uma habilidade especial que será bastante útil no decorrer do jogo.

Por exemplo, DD é capaz de detectar inimigos, plantas medicinais e animais selvagens a distancia, ele também pode distrair guardas ao nosso comando. A Quiet é uma franco-atiradora que vai para pontos específicos e encontra alvos e os elimina ao nosso comando.

Quiet é uma personagem bastante interessante, mas tive pena de ver que esta personagem poderia ter tido um papel de maior destaque, afinal de contas só mais para o final do jogo é que conseguimos perceber a profundidade desta personagem. Ainda em relação a Quiet, é impossível não reparar na sua vestimenta, ou na falta dela se preferirem, e o facto de ser a única figura feminina não é justificação para a exploração da imagem da mesma, mas não posso dizer que não é agradável a visão da mesma.

 

Trabalhar em conjunto com estas personagens é uma nova dinâmica que aumenta as possibilidades de sucesso e de construirmos uma história diferentes com um mesmo objetivo. Ou seja, não torna o jogo tão linear nem tão igual ao que estamos habituados em jogos anteriores.

 

Mapas do jogo...

Tal como já falamos anteriormente, o jogo conta com dois mapas, um no Afeganistão e outro na Angola, são mapas bastante vastos, mesmo percorrendo os mapas a cavalo ou com um veículo podemos aproveitar as paisagens lindíssimas do jogo e percorrer vastos quilómetros sem encontrar nenhumas patrulhas. Isso acaba por ser bastante realista, não faria sentido patrulhas em zonas remotas e sem qualquer tipo de ponto estratégico. Por vezes vemos um par de soldados a percorrer as estradas a pé, mas nada que nos dê grande dificuldade em eliminar, quanto mais não seja com dardos tranquilizantes (o ideal para poder enviar possíveis candidatos para a “Mother Base”).

 

Fitas de cassete...

Existem várias fitas de cassete espalhadas pelos cenários, essas fitas contêm informações sobre a trama do jogo. A maioria das explicações das nossas ações e dos planos de Skull face podem ser encontradas nessas fitas áudio. Uma das curiosidades do jogo passa por ser praticamente só nas fitas áudio que conseguimos ouvir a interpretações de Kiefer Sutherland como Snake (ou “Big Boss” como muitos gostam de o chamar), de resto a nossa personagem é praticamente muda, o que é uma pena tendo em conta a excelente interpretação que o ator faz.

 

Algumas das fitas têm diálogos muito interessantes e bastante informativos, mas existem elementos que são simplesmente falados sem nunca serem presenciados ou tecidos quisqueres comentários. Um dos exemplos vai para as crianças soldado na Angola que em certa fita vamos ouvir falar. O jogo fala de um assunto bastante delicado, algo que é raro ver um jogo fazer algo desse género e usar um tema destes como pano de fundo de um jogo.

 

Ainda em relação as fitas de cassete, eu dou um conselho para quem for jogar este jogo, ouçam estas fitas quando estiverem a deslocar-se de um ponto para o outro quando estão em missão, estarão a poupar o vosso tempo e a ocupar tempo morto do jogo para adquirir informação bastante útil.

 

No decorrer do jogo iremos ainda encontrar fitas de música, estas podem ser ouvidas no decorrer das missões. A seleção musical contem títulos como The Man Who Sold the World, Take On Me e Maneater. Quando nos encontramos a ouvir essas faixas musicais, os sons ambiente ficam abafados, isso acontece pelo facto de Snake estar a usar uns headphones, curioso não?

 

Mother Base...

A nossa base encontra-se no meio do mar, muito idêntico ao que aconteceu com a nossa base anterior. Essa base deve ser melhorada de forma a ter novos e melhores equipamentos. No decorrer do jogo devemos recrutar soldados inimigos e para isso iremos usar o Fulton (um balão que faz chegar o que queremos, dentro das possibilidades, a nossa base). Para isso temos de os adormecer, seja com dardos ou de forma táctica para conseguir envia-los para a nossa base de forma a serem convertidos em soldados da “Diamond Dogs”.

Assim que fizermos uma melhoria nos nossos binóculos, seremos capazes de analisar o perfil dos soldados inimigos de forma a poder recrutar somente os melhores, esses binóculos conseguem observar os parâmetros ligados a pesquisa, desenvolvimento, medicina e até no campo de batalha. Sempre que enviamos novos recrutas para a “Mother base” estamos a aumentar o nível da mesma e assim será possível criar novas armas, armaduras, dispositivos secundários e outros itens de grande utilidade para Snake.

Assim sendo podemos compreender que os recursos não passam somente por malas de minério ou outros tipos de malas que vão ajudar a “Mother Base”a crescer, podemos ver os soldados que recrutamos como um bom recurso para evoluir a nossa base.

 

Gráficos...

No que toca aos gráficos, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain é um jogo deslumbrante com muitos cenários para o jogador apreciar e com pormenores incríveis. Os movimentos das personagens parecem naturais e as ações furtivas estão muito bem sincronizadas.

Não posso de forma alguma dizer que são os melhores gráficos que eu alguma vez já vi, mas são certamente uns dos melhores.

 

Som...

No que toca ao som, seja banda sonora ou as vozes das personagens, eu diria que está tudo incrível. O único apontamento vai para os escaços momentos em que Snake diz algo, eu diria que na sua maioria a voz do Snake só se ouve nas cassetes áudio que encontramos pelos cenários. De resto tudo está muito bem inclusive as cassetes de áudio que podemos ouvir no decorrer das missões.

 

Conclusão...

Este é sem duvida alguma o derradeiro Metal Gear Solid, ele tem tudo, o que qualquer jogador que seja fã da serie, poderia ter. Muito provavelmente não iremos ter novidades desta serie tendo em conta o afastamento de Hideo Kojima da produtora. Tenho pena que assim seja pois este é um excelente jogo do inicio ao fim. Se este jogo tiver algum título posteriormente, então é bom que sigam os passos que foram dados neste jogo, este é o caminho correto da serie.

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain é um jogo que a Strong Player recomenda a todos os jogadores, sejam eles fãs da serie ou não.

Read the review »

Media gallery
Images and videos
01
01
      Sobre Nós       Jobs       Acordo de Privacidade       Estatuto Editorial