PES 2018
Editor rating
8.5
User rate
8.5
Global vote
8.5
Vote you too:
N/A
Release: 12/9/2018
Price: € 69.99

PES 2018

Genres: DESPORTO Producer: Konami
  • Production: Konami
  • Release date: 12/9/2018
  • Recommended age: 3 years

Mais uma época futebolística, mais um ano de PES, este ano com algumas melhorias bem interessantes que revolucionam mais uma vez o jogo.

Inicialmente a ideia com que fiquei foi que PES 2018 parecia o PES 2017 mas com algumas melhorias/actualizações. Mas assim que fui avançando no jogo percebi que PES tenta conquistar de qualquer forma os fãs de FIFA, mas todos sabemos que isso será bem complicado para a Konami.

 

Com o passar dos anos, PES tem perdido o que muitos gostavam na franquia, estou a falar do seu aspeto descontraído. A Konami tem tentado aproximar a sua franquia da Franquia de FIFA, mas sem sucesso. Isso deve-se ao facto de não terem tantas licenças como a FIFA e também pelo facto de tentarem atalhar caminho de forma a tornarem a sua franquia cada vez mais parecida com a de FIFA.

Mas pelo que posso ver, PES tenta agora um caminho diferente com uma fórmula de nome Touch+. A diferença desta nova fórmula é bem grande e acaba por afetar toda a dinâmica do jogo.

A Konami apostou no refinamento da fórmula Touch+ que acabou por se tornar num elemento bem importante da mecânica de jogo e bastante responsável pelo domínio de grande parte dos avatares com partes do corpo como peito, coxa e ombro.

 

Este é um eSport que está em grande crescimento, e com esse crescimento temos a corrida pela busca de um produto de qualidade física e domínio dos jogadores o que torna este jogo ainda mais importante para os jogadores mais cerebrais.

EM PES 2018, sente-se que o Real Touch+ permite ao jogador um maior controle da bola, desde que este tenha dominado a bola.

Até a parte visual teve o seu crescimento, é bem interessante ver os jogadores fazerem domínios de bola alternativos, já não temos de ver uma mecânica sempre igual independentemente do seu skil e das suas capacidades e forma de jogo.

 

Em PES 2018 as forças dentro do campo encontram-se bem mais equilibradas, o sistema de domínio permite ao jogador usar os seus dotes para evitar que a marcação adversária possa ser vencida pela sua habilidade.

O Real Touch+ permite ao jogador um bom domínio da bola de forma a poder usar as suas habilidades para proteger a mesma, mesmo que tenha dotes físicos menores. Um bom domínio aumenta a velocidade da jogada e facilita os toques de primeira.

 

PES 2018 tem a participação especial do tricampeão Olímpico Usain Bolt, o jogador mais rápido de PES 2018 e também marca o fim da era dos passes automáticos, dos lances sem qualquer empenho e do famoso ping-pong que nos habituaram ao longo dos últimos anos.

Agora, trocar uns passes de forma imprudente não que dizer que esses passes vão chegar ao destino como acontecia anteriormente. Agora as coisas são diferentes e é necessário ser mais atento e acertivo de forma a que o jogo esteja a nossa favor.

 

Um ponto que este ano me preocupa seriamente são os guarda redes, estes estão melhores do que a uns anos atrás, mas eles também falham muito na hora de segurar a bola. As hipóteses de um guarda redes não segurar a bola a primeira e dar oportunidade para um ressalto são enormes.

Em contrapartida também cresceram os momentos milagre, momentos em que o guarda redes, de uma forma milagrosa consegue defender ou afastar a bola das redes, isso acontece principalmente com os grandes guarda redes internacionais.

 

Os adeptos são parte integrante deste grande espectáculo e a Konami esteve muito bem na inclusão desta componente. Agora os estádios vibram com tanto entusiasmo e as bancadas estão agora mais vivas.

O mesmo acontece dentro das quatro linhas, os movimentos dos jogadores são agora mais naturais e as deslocações dos mesmos são agora mais reais e parece que estamos a ver uma equipa a trabalhar em conjunto com toda a equipa a movimentar-se seja para o ataque como para a defesa.

 

As licenças oficiais são sempre um assunto controverso quando falamos de PRO Evolution Soccer, desde o início que a maioria das equipas não têm os nomes oficiais nem a grande maioria dos jogadores têm também o seu nome no jogo. É certo que tudo isto são milhares e milhares de euros de investimento e é sempre complicado conseguir as licenças oficiais tendo como adversário direto um jogo como o FIFA que tem automaticamente essas licenças.

Mas para mim, este nem é o maior problema pois já existem mods que nos permitem colocar os nomes das equipas e dos jogadores tal como deveria ser.

Em Portugal só os grandes clubes têm o nome oficial e mesmo esses não têm os jogadores todos com o verdadeiro nome. Os nomes dos estádios também não são os reais e isso é bem triste, afinal de contas nós conhecemos bem o nosso campeonato e seria um grande gosto ter todos os nomes de equipas, jogadores e estádios tal como deveria ser.

 

Gráficos…

Graficamente não existem melhorias gritantes, mas PES 2018 tem um excelente aspeto de qualquer forma, como já tinha o ano passado. Nota aqui para o trabalho da Konami na recriação dos jogadores mais famosos, que beneficiam de grande atenção ao pormenor. Também existem outros detalhes que acrescentam qualidade visual ao jogo, como o pormenor da chuva e da sujidade, o suor dos jogadores, e as animações do público nas bancadas.

 

Som…

Desta vez encontramos verdadeiros hits mundiais nas trilhas sonoras de PES 2018, temos Bruno Mars ou então The Chainsmokers. Porém, ainda muito distante  da diversidade musical de FIFA.

E os comentários entram directamente nesta categoria. Por muito que gosto do Luís Freitas Lobo, há três edições que o ouço dizer a mesma frase. Passo a citar: “Gosto muito dos médios destas equipas – estou ansioso para ver os médios das duas equipas”. Pode ter sido kitsch ao início, agora já caiu em exagero.

 

Jogabilidade…

PES 2018 a física dos jogadores e a sua forma de jogar foi melhorada, mas a bola também recebeu melhorias,  agora são mais visíveis os ressaltos, consoante a velocidade e os toques dados em diferentes zonas do corpo.

A cobrança de bolas paradas recebeu alguns ajustes. Na marcação de cantos e livres pode-se ajustar melhor a direcção, através de novas perspectivas de câmara e opções, seleccionadas através do d-pad, abrindo uma janela com vários enquadramentos, embora com menos informações ao chutar. Entre as opções, desde chamar um jogador para um passe curto ou posicionar os jogadores para uma posição fora da área, correndo na direcção da baliza após o cruzamento, abrem-se mais possibilidades, sendo especialmente perigosos aqueles lances em que todos os jogadores correm na direcção da baliza, causando mais dificuldade para o jogador chamado a cortar o lance, em corrida. A marcação de penaltis está mais simples e directa, sendo fundamental garantir um remate com intensidade adequada, sob pena de se falhar o alvo, de forma estrondosa.

O movimento dos jogadores está melhor e mais fluído, sobretudo nos pequenos toques, choques com os adversários e recuperações. Dos pés à cabeça, a postura é bem mais realista e isso traduz-se numa descrição do futebol que não só é atractiva como verdadeira. Nas bolas altas, é dada mais alguma flexibilidade no cabeceamento, podendo afastar ou aproximar o jogador do sítio onde a bola vai cair. 

Os lances de bola parada é outro elemento que foi alterado em PES 2018, e agora estão mais próximos do que se faz em FIFA. Já não existe uma seta tremedeira para controlar nos livres e nos pontapés de canto, o que significa que terão de seguir melhor a vossa intuição.

 

Conclusão…

PES tem dois problemas crónicos que existem a vários anos, um deles é o facto de as equipas que mais gostamos não estarem licenciadas, a excepção de muito poucas. Esta é uma falha que acaba por quebrar o realismo para quem o procurar. Se isso não for um problema, melhor, mas para quem quer tudo mais realístico, tem aqui um problema que PES ainda não conseguiu resolver. A isto junta-se um outro problema de que se tem falado nos últimos anos: PES precisa de novos modos de jogo. Este ano temos a adição do jogo Random, em que o jogo cria duas equipas, com jogadores aleatórios para podermos jogar. Este modo de jogo é a grande adição do ano, é divertido e capaz de proporcionar grandes momentos e muitos desafios, será capaz de vos ocupar durante muito tempo.

A falta de licenças continua a ser uma grave falha desta série, mesmo com algumas adições significativas neste ano. Este título surge quase que a cumprir calendário, o que não faz jus à excelente evolução do ano passado. A qualidade está lá, só falta aprimorá-la e trazer mais e melhor quantidade.

Read the review »

Media gallery
Images and videos
01
01
      Sobre Nós       Jobs       Acordo de Privacidade       Estatuto Editorial