REVIEW – FIFA Street

REVIEW – FIFA Street

Maio 14, 2012 Não Por Perplera

O futebol de rua não é um desporto oficial nem se equipara aos milhões que o mediatismo do futebol, (desporto oficial), nos trás no dia-a-dia

É muito provável que muitos dos leitores que nos seguem nunca tenham jogado futebol de 11 mas é quase certo que pelo menos já tenha experimentado o fantástico futebol de rua.

Quando me refiro ao futebol de rua não falo só na rua propriamente dita mas sim no pavilhão da escola, na praia ou até mesmo num pequeno espaço rectangular que dê para jogarem pelo menos 2 contra 2.

Quando a EA criou o primeiro jogo de FIFA Street nem precisou de se esforçar muito pois apareceram logo vários adeptos do estilo, não foi pelos gráficos nem pela arte que o jogo poderia apresentar mas sim pelo estilo de jogo.

Já se passaram vários anos desde que saiu o FIFA Street 3 e este FIFA Street apesar de não apresentar o número 4 na frente do título só demonstra que a EA Games pretende uma abordagem diferente de tudo o que havia feito anteriormente.

Gary Paterson, considerado por muitos um dos maiores responsáveis pelo crescimento da franquia FIFA Futebol, é quem dirige o desenvolvimento de FIFA Street, assim sendo podemos concluir que temos um excelente jogo em mãos.

Digamos que o motor de jogo é exatamente o mesmo de FIFA 12 mas com alguns ajustes significativos e algumas adições.

Para começar nota-se uma sobriedade maior no que toca ao visual do jogo, a estética que existia foi abandonada logo a partida para que se pudesse demonstrar um estilo mais realista e autêntico que retracta-se de forma fiel os clubes, jogadores e ambientes onde os jogos decorreram.

Os modelos dos jogadores são exatamente os mesmos de FIFA 12 apesar de algumas diferenças ao nível da animação. Sendo um título com a licença da FIFA o jogo contém várias seções de clubes oficiais, no que toca a Portugal só a selecção portuguesa entrou os clubes ficaram de fora.

Os cenários são muito realistas e aproximam-se muito dos ringues de futebol urbanos, mas tem algo que não convém deixar por dizer, a variedade dos campos de jogo é enorme.

FIFA Street recria o futebol de rua nas suas mais variadas vertentes como praias do Rio de Janeiro, parques de estacionamento, campos de relva sintética e os famosos campos de Futsal (a vertente de futebol oficial mais aproximada do futebol de rua).

Os campos de futebol estão dispostos em 35 localizações diferentes, Londres, Amesterdão e Shangai são só um exemplo dos vários locais que servem como pano de fundo para este desporto.

Este jogo é inundado de uma rapidez e fluidez de jogo que as estrelas de futebol dos dias de hoje teriam dificuldade de acompanhar. A jogabilidade de FIFA Street já não transmite a sensação de exagero que os títulos anteriores trouxeram a esta série o que é muito bom dando ainda mais realismo ao jogo.

A EA Games focou-se nos truques e fintas mas sempre com os olhos postos em técnicas que sejam possíveis de executar pois não queriam de modo nenhum cair no exagero.

Neste tipo de jogo desmoralizar o oponente é quase tão importante como marcar um golo e FIFA Street dá-nos muitas possibilidades de o fazer.

A inteligência artificial do jogo faz com que o “um contra um” seja uma constante. O sistema de fintas ajuda-nos a manobrar a bola para qualquer direção fazendo com que o jogador se arrisque no confronto directo tornando o ritmo de jogo mais rápido e sempre com o objectivo de rematar à baliza.

O jogo é muito intuitivo e numa fase inicial podemos fazer muitas jogadas com a técnica de domínio de bola e drible. Com estas técnicas já é possível deixar o jogador imóvel ou mesmo fazer-lhe as tão famosas cuequinhas.

Mas depois de avançarmos no jogo existem uma data de fintas que são possíveis fazer com o analógico direito, não conseguimos precisar o número de fintas diferentes que é possível, mas podemos garantir que são muitas. Outro dos pontos que é bem interessante é o facto de podermos dar toques com a bola durante o jogo e passá-la por cima do oponente quando este se aproxima. Neste jogo é tudo uma questão de imaginar uma jogada que desmoralize o oponente e depois colocá-la em prática.

Este jogo por vezes pode levar o jogador a fazer jogadas individuais a ponto de fintar todos os jogadores e depois rematar à baliza e marcar golo. Mas por vezes isso não será possível, a defesa adversária vai fechar tanto os espaços que a única hipótese que poderemos ter são as jogadas a primeiro toque, desmarcações rápidas, cruzamentos ou até mesmo remates de longe. Dominamos o jogo em equipa é tão ou mais importante do que dominamos o jogo de “um contra um”.

O futebol de rua com tabelas tem uma diferença interessante em relação ao futsal, não existem faltas, o ritmo é muito mais rápido e é aconselhável que se usem tabelas nas fintas para que se criem assim jogadas improváveis.

Existe um modo de jogo chamado “Hit the Streets” que nos permite fazer partidas singulares com regras pré-definidas ou então podemos ser nós próprios a escolher as condições do jogo. Podemos escolher o número de jogadores até 6 elementos e o objectivo para a vitória.

As vitórias podem ser definidas de várias maneiras, pode ser a primeira equipa a marcar X golos, pode ser a equipa que marcar mais golos dentro de um determinado tempo ou pode ser por pontuação atribuída por finta e habilidade.

Existe também um modo muito interessante em que as equipas vão ficando com menos um elemento na equipa à medida que vão marcando golos, o objectivo é ficar com zero jogadores em campo.

Por último não podíamos deixar de falar do modo “Panna” que nos dá um ponto para o nosso “bank” por cada finta e quando marcamos golo esse vale tanto como o nosso “bank”. Se for o adversário a marcar perdemos a nossa “stack” e temos de recomeçar tudo do zero, isso dá ao jogo um factor de risco o que nos dá força para lutar e recuperar da desvantagem.

Quanto aos recintos existem recintos de vários tamanhos e de pisos e diversos e balizas de diferentes tamanhos. Os jogadores é que se comportam de igual modo seja um terreno mais ou menos fácil.

Algo que merecerá uma maior atenção da parte da produtora no futuro é a inteligência artificial dos nossos companheiros de equipa que por vezes ficam (grii, grii, grii….), mesmo as aranhas, por vezes parecem ter dificuldades em entender as nossas intenções, escondem-se atrás dos adversários, recusam-se a “entrar” para receber um passe.

O sistema de passe é completamente livre, e possui uma barra para controlar a potência que colocamos na bola.

No futebol de rua os guarda-redes têm uma participação bastante ativa no jogo, coisa que sinceramente não notei em FIFA Street. Sim é possível jogar ou sair da baliza com os guarda-redes, mas o comportamento destes não é muito confiável, aliás, tive alguns momentos de estupefação graças a eles, recusar agarrar a bola, abraçar o poste ou passar a bola ao adversário são alguns dos brilharetes que me recordo.

 

NOTA: 8/10

Positivo
    Negativo