REVIEW – Isklander Trilogy (Plymouth Point)

REVIEW – Isklander Trilogy (Plymouth Point)

Julho 15, 2021 1 Por Perplera

É difícil classificar o episódio da Plymouth Point da experiência Isklander Trilogy, pelo menos nos termos tradicionais. Poderia dizer que Isklander Trilogy é uma espécie de “thriller interativo de quebra-cabeças com grande imersão”. Ele aparece como uma experiência multijogador que se desenvolve online, mas transcende os limites de seu próprio ambiente de jogo, afinal de contas ele proporciona sentimentos controversos e uma sensação de urgência para resolver o caso em que nos vemos envolvidos.

Imagem Gameplay Isklander

O único requisito do jogo é fazer parte de uma reunião on-line dos “Residents Watch” do complexo de Plymouth Point, que começa assim que todos estiverem logados no jogo.
Quando todos os jogadores já se encontram online, a colega residente Katherine Stewart (que é na realidade funcionária/o da Swamp Motel) entra na conversa demonstrando as suas preocupações sobre a colega residente Ivy, colega essa que a tem ajudado, mas que de repente fica em silêncio e parece estar desaparecida. Katherine não entende muito de tecnologia, então ela pede-nos ajuda como colegas residentes, que ajudemos na investigação.

O que se segue é uma aventura imersiva que nos leva rapidamente para fora dos limites da plataforma Residents Watch, aplicativo esse que nos permite fazer chat escrito e videoconferência. Os jogadores vão acabar por encontrar a Ivy no Facebook, afinal todos temos Facebook, tudo acontece como se Ivy fosse uma pessoa real. Quanto mais vasculhamos mais descobrimos e após uns minutos de pesquisa estamos realmente preocupados com o bem-estar desta personagem do jogo.

Imagem Gameplay IsklanderConforme os jogadores procuram por pistas no Google Maps, sites corporativos, YouTube e até mesmo em sistemas telefônicos automatizados, uma espécie de conspiração de uma sociedade secreta começa a desenrolar-se mesmo nas nossas barbas. E como estamos a jogar em grupo, o jogador sente que está bem no meio de toda esta trama. Ao aceder a contas de email  e entrar em seções restritas de sites, o jogador acaba por se esquecer que todo este conteúdo foi criado propositadamente para esta experiência, uma prova de como o jogo é bem produzido.

Imagem Gameplay IsklanderNão iremos entrar em pormenores sobre a trama, pois isso arruinaria a diversão, mas posso garantir que a nossa sessão tinha apenas três jogadores e todos nos divertimos muito ao estar no meio desta trama. A forma como a ficção e a realidade se misturaram foi algo único, e poder partilhar a experiência à distância é uma vantagem, principalmente numa época em que as viagens ainda são restritas. Os jogadores tentam resolver o caso de forma cooperativa, mas Katherine também ajuda, ela atua quando os jogadores parecem desorientados, ela dá dicas bastante importantes que ajudam os jogadores a saírem de caminhos que não vão dar a lado nenhum, Katherine vai dando sugestões em intervalos regulares. É o suficiente para garantir que os jogadores não ficam completamente presos, enquanto ainda dá a sensação de que é o jogador que está a dar solução ao mistério.

Imagem Gameplay IsklanderA nossa experiência foi bastante agradável, tivemos a participação de 3 jogadores mais a personagem Katherine (e por vezes o Darth Vader (foi uma piada parva que inclui um Vape)). A experiência permite até 6 jogadores que podem estar todos na mesma sala, como também podem estar cada um em sua casa. Os jogadores têm até 1h30min para terminar a investigação. A nossa equipa tinha apenas 3 membros e conseguimos terminar a 12 minutos do fim, por isso acredito que com uma equipa maior a experiência teria sido ainda mais interessante.

Pode descobrir mais em https://isklander.com/ , que inclui detalhes sobre dois capítulos adicionais que fazem parte de uma trilogia. Plymouth Point é um ótimo ponto de partida, porém, com uma mistura de atores com vídeos pré-gravados, algum conteúdo online e participação de jogadores que podem estar em qualquer parte do mundo, que se juntam para participar numa experiência única de realidade aumentada criada pela Swamp Motel.

Imagem Gameplay IsklanderCada experiência tem um preço, e apesar de achar que tem um preço caro, tendo em conta o dinheiro que o povo Portugês ganha, eu posso dizer que mesmo assim o preço vale a pena. a experiência para duas pessoas fica por 25€, para 3 pessoas fica por 35€, para 4 pessoas fica por 45€ e para 5 ou 6 pessoas fica num total de 55€. A Swamp Motel também tem preços ajustados para  experiências com mais pessoas e para empresas, mas terá de ser orçamentado. Sem dúvida uma experiência que vale a pena e que deixará os jogadores surpreendidos.

Isklander Trilogy é bem capaz de ser um dos jogos mais interativos, e que nos dá a ideia de estar a viver algo real, que jogamos ultimamente.

Segue todas as notícias sobre o mundo dos videojogos na Strong Player.

Segue-nos nas Redes Sociais e, FacebookTwitter e Instagram.

Nota 9/10

Positivo
  • Multijogador à distancia.
  • Investigação envolvente.
  • Mistura de fixão e realidade bem equilibrada.
Negativo
  • Preços da experiência.

Um pouco mais sobre o autor…

O Bruno Costa é o editor e supervisor dos conteúdos da Strong Player. É o principal editor que distribui o seu tempo entre criação de notícias, reviews e desenvolvimento de artigos com curiosidades. Gosta de uma variedade de jogos bem extensa mas a sua preferência vai para os jogos de Zombies e para jogos com um modo história envolvente. Adora jogos de ação de mundo aberto com modo multiplayer e o seu preferido é o The Division 2.